• Ser_Socio.jpg
  • Cuidados_Paliativos_Exposicao_PORTO_137.jpg
  • Área do utilizador

Evento a decorrer neste momento

Movimento de cidadãos

Um movimento que só pode parar
quando todos tivermos, de facto, direito aos cuidados paliativos

 

Em Dezembro de 2004, um pequeno grupo de cidadãos decidiu criar o Movimento de Cidadãos pró-Cuidados Paliativos, com o objectivo de os promover em Portugal.

 

Em 26 de Fevereiro de 2005 apresentámos uma Petição à Assembleia da República que deu voz a mais de 24.000 portugueses.

 

Os subscritores reclamaram o direito de todos os cidadãos aos cuidados paliativos. Requereram ainda que este tipo de cuidados fossem confirmados na Constituição da República Portuguesa e incluídos entre os cuidados da medicina que incumbe ao Estado garantir para assegurar o direito à protecção da saúde de todos os cidadãos, como se pode ler no Capítulo II, Artigo 64.º (Saúde), ponto 3: ?Para assegurar o direito à protecção da saúde, incumbe prioritariamente ao Estado: a) Garantir o acesso de todos os cidadãos, independentemente da sua condição económica, aos cuidados da medicina preventiva, curativa e de reabilitação;?.

 

A Petição foi analisada em Julho de 2005, em Sessão Plenária da Assembleia da República e todos os Grupos Parlamentares concordaram na necessidade de implementação de uma rede de cuidados paliativos.

 

Actualmente existem apenas 17 unidades/equipas de Cuidados Paliativos em Portugal, o que é manifestamente insuficiente para a população portuguesa.

 

 (Fonte: www.apcp.com.pt)

 

Hoje em dia, contamos com um Programa Nacional de Cuidados Paliativos, aprovado em 15 de Junho 2005, uma Circular Normativa que prevê que até 2010 estejam em funcionamento 25 Unidades de cuidados paliativos.

 

O Conselho de Ministros aprovou, em 16 de Março de 2006, o diploma que cria a Rede Nacional de Cuidados Continuados Integrados (RNCCI) de saúde a idosos e dependentes, no âmbito dos Ministérios da Saúde e do Trabalho e da Solidariedade Social. Esta Rede é constituída por unidades e equipas de cuidados de saúde, e ou de apoio social, e de cuidados e acções paliativas, com origem nos serviços comunitários de proximidade, abrangendo os hospitais, os centros de saúde, os serviços distritais e locais de segurança social, a rede solidária e as autarquias.
(Fonte: Portal da Saúde)
Dentro da RNCCI encontram-se disponíveis apenas 46 camas (20 no IPO do Porto, 20 no Hospital do Fundão, 5 no Hospital do Mar em Lisboa, 8 na Casa de Saúde da Idanha e 5 na SCM da Amadora) para internamento em cuidados paliativos, existindo apenas, neste momento, 1 equipa intra hospitalar em Lisboa e tão só 1 equipa comunitária de suporte em cuidados paliativos, (Lisboa) apesar de outras estarem previstas ( Porto, Beja e Évora).
(Fonte: Despacho n.º17516/2006, Diário da República, 2ª Série ? N.º 166 ? 29 de Agosto de 2006)
Ter acesso aos cuidados paliativos em Portugal continua a ser muito difícil. É por isso que o movimento só pode parar quando os cuidados paliativos forem um direito de todos.

 

 DIVULGUE ESTA MENSAGEM, AJUDE A FAZER A DIFERENÇA!!! (PDF)

 

Ana Xavier-Morato Cabral

 

Coordenadora

Movimento de Cidadãos pró-Cuidados Paliativos

SAIBA QUAIS...

as equipas que podem dar apoio ao Doente Paliativo na sua área de residência.

Distrito/Região autómoma

Tipo de apoio/Tipologia de serviço

  • banner2.jpg
  • banner4.jpg
  • banner3.jpg
  • banner1.jpg
  • admedictours1.jpg
  • logo_fcg_2014.jpg

Informação

A APCP declina qualquer responsabilidade nas informações contantes nesta seção, em relação às ações formativas que não sejam por ela organizadas. Qualquer informação ou estabelecimento de contactos sobre estas ações externas à APCP, devem ser obtidas junto das entidades organizadoras, contantes na informação da ação. Nestas, a APCP apenas funciona como plataforma de divulgação e não como responsável pelas mesmas.